domingo, 4 de agosto de 2013

Melatonina: aliada do sono e da manutenção do peso

A melatonina é um hormônio produzido no cérebro a partir de outro hormônio a serotonina. Sua secreção está diretamente relacionada ao ciclo claro-escuro e tem papel fundamental na regulação do estado sono/vigília.
Produto do metabolismo da serotonina e é produzida por um número limitado de órgãos nos mamíferos, incluindo a glândula pineal, retina e o trato gastrointestinal. A falta dela no organismo faz diminuir a liberação de serotonina, um neurotransmissor ligado ao bom humor e ao prazer. Ao sentir falta dela, nosso cérebro pede alimentos com açúcar para repor as energias e compensar nossa necessidade de prazer.

Durante o sono a melatonina influencia o ritmo de vários processos fisiológicos: 
  • a digestão torna-se mais lenta, a temperatura corporal cai, o ritmo cardíaco e a pressão sanguínea diminuem e o sistema imunológico é estimulado.

Assim seu papel está relacionado a uma noite de sono reparadora. Quando dormimos bem temos diminuição significativa da produção de cortisol e de adrenalina e restauração das moléculas de DNA lesadas.

Estudos mostram ainda que a melatonina é um potente antioxidante, diminui os radicais livres e é capaz de agir junto com as vitaminas C e E retardando o envelhecimento e prevenindo doenças degenerativas.
Dados disponíveis evidenciam ainda que a melatonina atua como modulador de respostas inflamatórias e de respostas imunológicas, nos deixando mais resistentes a infecções.

A melatonina existe em pequenas quantidades em frutos e vegetais como a cebola, a cereja e a banana, em cereais como o milho, a aveia e o arroz, em plantas aromáticas como a hortelã, a verbena, a salva e o tomilho, e no vinho tinto.

Alguns nutrientes também aumentam a produção de melatonina como o ácido fólico, encontrado em vegetais folhosos verde-escuros e gema de ovo; a vitamina B6 presente em cereais integrais, oleaginosas e aveia e magnésio presente em vegetais folhosos verde-escuros, oleaginosas e cereais integrais.

Além desses nutrientes, também precisamos de carboidratos integrais. Portanto, dietas deficientes em carboidratos podem ser prejudiciais para a regulação da produção de serotonina e melatonina.

Vale lembrar que o excesso de cortisol está relacionado à compulsão alimentar e o acumulo de gordura na região abdominal. Por isso o stress, a ansiedade e noites mal dormidas estão relacionados ao ganho de peso e a melatonina pode ser útil nesses casos.

Veja a matéria  na página da Isto É dessa semana, que fala sobre a melatonina
http://www.istoe.com.br/reportagens/317231_O+SUPER+HORMONIO?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

Att, Nutricionista Giselle Barrinuevo

Nenhum comentário:

Postar um comentário