quinta-feira, 28 de julho de 2016

Doenças Cardiovasculares

 As doenças cardiovasculares (cardio = coração; vasculares = vasos sanguíneos)  afetam o sistema circulatório, ou seja, o coração e os vasos sanguíneos (artérias,  veias e vasos capilares).


 Entre elas está a hipertensão arterial (HAS) e as dislipidemias. Frequentemente os portadores não se sentem "doentes" e afirmam: “somente possuo pressão alta e como tomo um "remedinho", está tudo "bem"; ou: "não tenho nada doutor somente as gorduras do sangue estão altas", tem algum "remedinho" para normalizar?”
As doenças cardiovasculares (DCV) são de vários tipos, sendo as mais preocupantes a doença das artérias coronárias (artérias do coração) e a doença  das artérias do cérebro. Quase todas são provocadas por aterosclerose, ou seja,  pelo depósito de placas de gordura e cálcio no interior das artérias que dificultam  a circulação sanguínea nos órgãos e podem mesmo chegar a impedi-la.




O controlo dos fatores de risco é a melhor forma de prevenir as doenças cardiovasculares. um fator de risco é uma condição que aumenta o risco cardiovascular, ou seja,  aumenta a probabilidade de sofrer uma doença cardiovascular. 

Os fatores  de risco podem ser divididos em duas grandes categorias: fatores de risco modificáveis e fatores de risco não modificáveis.

Fatores de Risco Modificáveis

  • • açúcar elevado no sangue (diabetes)
  • • colesterol elevado (hipercolesterolemia)
  • • Trigliceridos elevados (hipertrigliceridemia)
  • • pressão arterial elevada (hipertensão arterial)
  • • excesso de peso e obesidade
  • • Hábito de fumar
  • • abuso de bebidas alcoólicas
  • • pouco exercício físico (sedentarismo)

Fatores de Risco Não Modificáveis

  • idade
  • sexo
  • Genética (inclui a história familiar de doenças cardiovasculares)



As doenças coronarianas estão entre as com maior índice de mortalidade. O bom funcionamento do aparelho cardiovascular depende de uma boa nutrição e estilo de vida saudável e a dieta tem papel importante no controle e prevenção das cardiopatias.


Doenças que acometem o Sistema cardiovascular

Hipertensão Arterial
 

A pressão sanguínea elevada ou hipertensão arterial conhecida popularmente como pressão alta, é uma das doenças com maior prevalência no mundo. Considera-se hipertenso o indivíduo que mantém uma pressão arterial acima de 140 por 90 mmHg ou 14x9, durante seguidos exames, de acordo com o protocolo médico. Ou seja, uma única medida de pressão não é suficiente para determinar a patologia.

Considerada uma doença silenciosa, pois na maioria dos casos não são observados quaisquer sintomas no paciente. Quando estes ocorrem, são vagos e comuns a outras doenças, tais como:
  •  dor de cabeça, tonturas, cansaço, enjôos, falta de ar e sangramentos nasais. 
  • Esta falta de sintomas pode fazer com que o paciente esqueça-se de tomar o seu medicamento ou até mesmo questione a sua necessidade, o que leva a grande número de complicações.

Como a pressão arterial tende a aumentar com a idade com as alterações vasculares que acompanham o envelhecimento, pode-se questionar se a hipertensão arterial é prevenível. Existem medidas que podem postergar este aumento de pressão. Estas medidas devem ser chamadas de medidas preventivas, mesmo que não impeçam, mas retardem o surgimento da hipertensão arterial:
  •     Alimentação saudável.
  •     Consumo controlado de sódio (sal de cozinha e alimentos ricos em sal).
  •     Consumo controlado de álcool, combate ao alcoolismo.
  •     Aumento do consumo de alimentos ricos em potássio.
  •     Evitar o sedentarismo.
  •     Evitar o tabagismo.

A Dietoterapia para hipertesão está empregada  na: diminuição e controle na ingesta de sódio (cloreto de sódio – sal de cozinha) e informar os diversos alimentos industrializados e processados que podem conter doses muito elevadas de sal. Também é importante aumentar o consumo dos alimentos ricos em potássio, pois normalmente os medicamentos anti hipertensivos envolvem diuréticos e a perda de potássio é grande. Uma dieta embasada nos padrões da pirâmide alimentar, que valoriza os cereais integrais, frutas e legumes, é imprescindível para os hipertensos.

*A hipertensão não controlada pode acarretar grandes problemas de saúde. Pressões arteriais elevadas provocam alterações nos vasos sanguíneos e na musculatura do coração. Pode ocorrer hipertrofia do ventrículo esquerdo, acidente vascular cerebral (AVC), infarto do miocárdio, morte súbita, insuficiências renal e cardíaca.

A dieta hipossódica é sempre empregada como terapêutica tanto hospitalar como domiciliar na hipertensão, com valores que variam entre 500 mg (restrição severa) a 2000 mg (restrição ligeira) de sódio dia.


Aterosclerose

A aterosclerose é uma doença silenciosa que pode não apresentar sintomas durante anos e, na maior parte dos casos, se manifesta tardiamente. É um processo que se inicia, muitas vezes, na infância.  

*Consiste na acumulação progressiva de gorduras nas paredes dos vasos ou artérias sanguíneas, que leva ao estreitamento ou até obstrução destas, que dificulta a circulação sanguínea e pode ocasionar acidentes cardiovasculares.

De acordo com estudos epidemiológicos, a aterosclerose vem aumentando, nos últimos anos, principalmente os países em desenvolvimento, incluindo o Brasil. O excesso de peso associado ao acúmulo de gordura na região abdominal está associado à maior risco de doença aterosclerótica. A síndrome metabólica, neste caso, também está associada.

Mudanças na composição do prato devem ser efetuadas atuando tanto para a prevenção, quanto no tratamento das dislipidemias. A eliminação do cigarro também constitui uma medida fundamental e prioritária na prevenção da aterosclerose.

Há cinco fatores que provocam o acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos, entre eles estão:

  •  o LDL (low density lipoprotein) elevado, considerado o mau colesterol. Ele se acumula com mais facilidade nas artérias. 
  • A hipertensão, o diabetes, o tabagismo e o sedentarismo são outros fatores que contribuem de forma decisiva para o desenvolvimento da doença. 
  • O sal também indiretamente, aumenta as chances de complicações cardiovasculares.

*A prevenção é a palavra chave. Os doentes de AVC ou infarto do miocárdio ficam incapacitados, geram grande dependência do Estado, da família e podem comprometer o lado profissional e gerar aposentadorias precoces.

A dietoterapia tanto na prevenção como na terapêutica irá envolver:
  •  a restrição das gorduras saturadas, controle das doses altas de gorduras animais, controle na ingesta de alimentos fritos.
  •  Deverá valorizar e incentivar as gorduras saudáveis como as gorduras monoinsaturadas e poli-insaturadas.
  • aumentar a frequência de consumo dos alimentos fonte como azeite de oliva e frutas oleaginosas. O uso frequente de alimentos funcionais também irá contribuir na prevenção e controle. 
  • Controlar o peso corporal e as taxas glicêmicas é importante como manter um acompanhamento nutricional constante.


Ateromas- Dislipidemia

Dislipidemia, hiperlipidemia ou hiperlipoproteinemia é a presença de níveis elevados ou anormais de lipídeos ou lipoproteínas no sangue.

Os lipídios (moléculas gordurosas) são transportados numa cápsula de proteína, e a densidade dos lipídios e o tipo de proteína determinam o destino da partícula e sua influência no metabolismo.

As anormalidades nos lipídios e lipoproteínas são extremamente comuns na população geral. Consideradas como fator de risco para doenças altamente modificável, devido à influência do colesterol, uma das substâncias lipídicas clinicamente mais relevantes, na aterosclerose. Algumas formas de dislipidemia podem também predispor à pancreatite aguda.

O colesterol e suas frações são lipoproteínas produzidas pelos organismos animais, por isso não estão presentes nos vegetais e seus óleos. Somente 30% do colesterol circulante são provenientes da alimentação, o restante é produzido pelo próprio organismo.

Existem as dislipidemias primárias, de causa genética e as dislipidemias secundárias, provenientes de outros quadros patológicos, como por exemplo, o diabetes mellitus.

Para o diagnóstico são medidos laboratorialmente (exame de sangue) os níveis plasmáticos de colesterol total e suas frações LDL, HDL e os triglicerídeos.


A dietoterapia atual nas dislipidemias envolve um conjunto de fatores, como:
  • o uso constante de aveia, que possui efeito direto sobre o colesterol alimentar, consumo de fibras solúveis, o aumento do Ômega 3 na dieta diária, seja na forma de suplementos ou de alimentos fonte como óleo de linhaça e peixes de água fria. 
  • O uso suplementar supervisionado de lecitina de soja também é um adjuvante importante no controle das dislipidemias. 
  • A terapêutica pode envolver dieta hipogordurosa e dieta baixa em colesterol, que podem ser temporárias ou permanentes.


Para prevenir as DCV em adultos deve:


• Praticar atividade física regular (pelo menos 30 minutos, 5 vezes por semana);
• Ter hábitos alimentares saudáveis (comer mais fruta, vegetais, fibras e peixe e reduzir o consumo de gorduras, açúcar e sal);
• Controlar o seu peso
• Ter pressão arterial < 140/90 mm Hg;
• Ter colesterol total < 190 mg/dl e colesterol LDL < 115 mg/dl;
• Ter uma glicemia normal (glicemia em jejum <100 mg/dl);
• não fumar;
• evitar o stress excessivo.

*Para pessoas com um ou mais fatores de risco cardiovasculares, os valores
recomendados são mais baixos. consulte o seu médico para saber os valores
recomendados para si.

Nenhum comentário:

Postar um comentário